top of page

O PROBLEMA É QUE NÓS SEMPRE CONFUNDIMOS A IDEIA DE AMOR COM APEGO



Sabe, nós imaginamos que o apego e o ciúmes que temos em nossas relações demonstram que amamos. Quando na verdade é só apego. E isso nos causa dor. Porque quanto mais nos agarramos a algo, mais temos medo de perder. E então, se nós perdermos, vamos sofrer. O que quero dizer é que amor genuíno é diferente. Bem, o apego diz: “Eu te amo, por isso quero que você me faça feliz”. O amor genuíno diz: “Eu te amo, por isso quero que você seja feliz. E se isso me incluir, ótimo. Se não me incluir, eu só quero a sua felicidade”. E são dois sentimentos diferentes. O apego é como segurar com muita força. Mas o amor genuíno é como segurar muito gentilmente, alimentando aquilo, mas permitindo que as coisas fluam. Não é ficar preso com amarras. Quanto mais amarrarmos o outro, mais nós sofremos. É muito difícil para as pessoas entenderem isso porque elas acham que quanto mais se agarram a alguém, mais elas demonstram que se importam com essa pessoa. Mas não é assim. Elas realmente estão apenas tentando prender alguma coisa, porque se for de outra maneira, acham que elas é que se ferirão. Qualquer tipo de relacionamento no qual pensamos que podemos ser preenchidos pelo outro está fadado a ser complicado. O ideal seria que as pessoas se juntassem já tendo esse sentimento de preenchimento próprio, e se juntassem para apreciar a companhia do outro em vez de esperar que o outro supra a necessidade de preenchimento que elas não sentem sozinhas. Isso gera um monte de problemas. E com isso vem a projeção do romance e do amor, em que idealizamos nossas ideias, desejos e fantasias românticas do outro. E possivelmente o outro não será capaz de corresponder às essas expectativas. Quando começamos a conhecer o outro, reconhecemos que ele(a) pode não ser o Príncipe Encantado ou a Cinderela. É apenas uma pessoa comum, que também está lutando. E a menos que sejamos capazes de enxerga-las, de gostar delas e de sentir desejo por elas, e também ter compaixão e ternura, será um relacionamento difícil.

 

Mestre budista Jetsunma Tenzin Palmo – no livro: “No Coração da Vida”.

6 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page