top of page

Você conhece as suas Crenças Pessoais a respeito da Energia do Dinheiro?



Sejam bem-vindos à Bailarina Celeste, eu sou Aline Keny, Terapeuta Integrativa. Hoje vou conduzi-los neste estudo mediante compreensões mais elevadas a respeito da energia do dinheiro.


Vivemos em um planeta gigante, imerso em inúmeros Sistemas de Crenças de diferentes matizes. Ao longo da história humana diversas culturas e religiões impregnaram em nosso inconsciente pessoal e coletivo diversas crenças, que se tornaram padrões mentais recorrentes e acabaram sendo tomados como verdades absolutas, mas, muitas destas crenças são equivocadas. E um dos temas mais polêmicos e pouco entendidos diz respeito ao dinheiro. O dinheiro é muito mal compreendido pela maioria das pessoas. Assim como o sexo, se tornou um tabu falar sobre dinheiro. Agora, vamos falar sobre o dinheiro. Nos últimos anos venho trabalhando minhas crenças pessoais em relação a esta energia e, aos poucos, compreendendo melhor como o universo funciona e como a energia do dinheiro atua em nossas vidas. Esta temática ainda é objeto de meus estudos pessoais e não tenho a pretensão em ter a perfeita verdade em tudo que vou dizer, neste momento estou compartilhando e plantando sementes para que sirvam como reflexões positivas.

Para começar, o dinheiro é uma energia, ele é uma energia neutra. O dinheiro não é sujo e não nos faz mal, pelo contrário, uma vida com dinheiro em abundância nos proporciona conforto, saúde, bem-estar, alegrias, prazer e a realização de nossos inúmeros sonhos enquanto vivemos esta vida na matéria. O mais importante a saber em relação ao dinheiro é o uso que fazemos dele. Se fazemos bom uso do dinheiro em nossas vidas ele sempre será fonte de bençãos, paz, saúde e prosperidade. Já se o utilizamos para fins menos respeitáveis e dignos, ou que não nos melhora como pessoas, sem ajudar nosso próximo, isto não é bom. Similarmente se o utilizamos para prejudicar nosso corpo físico, ele será utilizado de forma equivocada (mesmo que isto esteja inconsciente para você).

A diferença está no uso que fazemos do dinheiro, é simples assim!

É claro que podemos nos proporcionar prazeres por intermédio do dinheiro, desde que isto não nos faça mal ou faça mal aos outros.

O universo é justo e quando estamos fazendo a nossa parte, cumprindo os nossos deveres para conosco e para com os nossos semelhantes, sempre teremos a provisão necessária. O necessário nunca nos faltará, isto não é promessa de amizade, é lei do fluxo universal.

Quando a maturidade nos permite compreender que o mundo não gira ao redor do nosso umbigo, nos tornamos mais cuidadosos com nossas condutas morais e sobre como agimos em sociedade. Entendemos que somos um ponto de força vibrante no planeta, que temos o dever de nos exercitar em contribuir com a melhora da vida de cada pessoa de nosso convívio. Refletimos o nosso poder de atuação de forma positiva na sociedade quando somos mais generosos e menos egoístas. Há uma expansão de consciência e passamos a enxergar a vida com outros olhos, com um novo olhar sobre nós mesmos e sobre os outros. Ampliando a compreensão sobre a complexidade da vida, exercitamos a humildade, julgamos menos e agimos mais, cientes de que ainda estamos longe da perfeição, e como não somos perfeitos não temos o direito de cobrar perfeição de nada, nem de ninguém. Decidimos fazer a nossa parte e dar o nosso melhor a todos que cruzam nosso caminho, assim deixamos nossa luz brilhar cada vez mais. Um fator significativo para nos fortalecer como cidadãos responsáveis é doar a energia do dinheiro, ajudando na medida em que pudermos quem vive em situações de pobreza. Então, façamos a nossa parte. Doar faz bem à alma e ao coração.

Normalmente temos a tendência em reter o dinheiro, em guardar, ainda mais em períodos de crise financeira e econômica. Os tempos de escassez ativam nossos piores medos: medo da falta, medo da pobreza e da doença – são medos ligados a provisão e segurança: a base da Pirâmide de Maslow. A Pirâmide de Maslow, conhecida como Teoria das Necessidades Humanas, foi desenvolvida pelo psicólogo norte-americano Abraham Maslow que viveu entre 1908 e 1970, nesta pirâmide ele separa de forma hierárquica as diferentes necessidades dos seres humanos. A base da pirâmide engloba nossas Necessidades Básicas como as necessidades fisiológicas e de segurança. As necessidades fisiológicas englobam a satisfação através do alimento, água, abrigo, sexo e sono; já as necessidades de segurança dizem respeito a proteção e provisão da família, proteção do nosso corpo físico, da nossa saúde, de nossas propriedades físicas e da fonte de renda (emprego e profissão).

Os tempos de carência financeira nos proporcionam, além de inúmeros outros aprendizados, a oportunidade de revermos nossas crenças pessoais e coletivas, igualmente é uma oportunidade em aprender novas formas de lidar com o dinheiro e sua energia. As forças do bem e do amor não querem que nada nos falte, o universo é abundante e tem a provisão necessária a todos os seus habitantes. Deus é abundância e faz tudo crescer e prosperar. Quando estamos em escassez estamos justando trabalhando partes nossas que ainda vibram na escassez. Precisamos ensinar a estas partes (sejam personalidades nossas de outras vidas ou mesmo outras pessoas encarnadas) a aprender a compartilhar e a confiar na sabedoria do Divino que está ciente de tudo que nos acontece, pois ele conhece nossas necessidades individuais. Com certeza a vivência de estados de escassez nos trazem inúmeros aprendizados, entretanto, não precisa ser assim, não precisa haver sofrimento. Podemos modificar nossa vibração interna e atrair a energia do dinheiro, da prosperidade e da abundância.

Escassez atrai escassez. Abundância atrai abundância. E para atrair estados de abundância também temos que modificar nossos padrões de pensamentos e sentimentos. Em vez de vibrarmos no medo podemos vibrar na confiança e no amor. Em muitas vezes isso exige trabalho interno constante ou mesmo de formiguinha, é a modificação dos nossos padrões mentais equivocados que provocam as mudanças em nosso mundo externo.

Em tempos de escassez, muitas pessoas deixam de pagar suas próprias contas, suas responsabilidades financeiras, justamente pensando em poupar, só que desonestidade atrai desonestidade. Este não é o caminho. A energia do dinheiro precisa circular, e quando gastamos nosso dinheiro de forma consciente e equilibrada, o fluxo nos devolve os recursos financeiros de que necessitamos, em um sistema perfeito de equilíbrio e troca monetária.

Este é um tempo de despertar espiritual, um despertar para realidades maiores explicadas também pela física quântica. Existe uma mecânica quântica que faz o universo progredir e prosperar. É um período de faxina emocional que está ocorrendo no mundo todo, é a sujeira de nossas incompreensões e equívocos passados saindo debaixo do tapete. São tempos desafiadores, mas de extrema importância para nós como indivíduos e como coletividade. Mesmo assim, tudo de ruim vai passar, sempre passa. Graças a Deus.

Indo mais a fundo, quem tem problemas com dinheiro precisa trabalhar suas crenças limitantes em relação a ele. Se você julga quem gosta e quem ganha dinheiro, de forma inconsciente você está sentindo inveja. É necessário rever e trabalhar suas próprias crenças limitantes em relação ao dinheiro, sua energia e correta utilização.

Quando padrões de escassez se repetem dentro de núcleos familiares, sejam através de falências ou pobreza, há um sintoma que necessita ser investigado, explorado, cuidado e curado, justamente por meio dos processos terapêuticos. O tema é abrangente, sendo preciso ser olhado caso a caso.

Com amor,

Terapeuta Aline Keny

 
38 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page